Blog

11/01/2017 0 796

Na luta contra o câncer de mama #outubrorosa

Na noite do dia 26, o Buffet Tulipas recebeu em uma de suas casas, a Villa Valentim, diversas Mulheres Guerreiras. Para esse evento, foram programadas palestras importantes na conscientização para o diagnóstico e prevenção do câncer de mama.


O câncer de mama, como o próprio nome diz, afeta as mamas, que são glândulas formadas por lobos, e que se dividem em estruturas menores chamadas lóbulos e ductos mamários. É o tumor maligno mais comum em mulheres e o que mais leva as brasileiras à morte, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca).

Na primeira palestra tivemos a honra de escutar as histórias de muitas mulheres que tiveram câncer de mama, através da Dra. Albertina Duarte, ginecologista e uma das maiores autoridades no assunto. A Dra explicou sobre o quão importante é que a mulher se conheça, e mês a mês procure examinar seu corpo, qualquer indício deve ser levado para que um médico avalie. Apesar de a Organização Mundial da Saúde não considerar o autoexame, a médica afirma que todas as mulheres devem se preocupar constantemente, e procurar ajuda sempre que notar mudanças nas mamas.

"Adote um estilo de vida saudável, isso muda a vida"

A Dra. Albertina ao mesmo tempo em que deu uma aula inédita sobre a condição do câncer de mama no Brasil para o público de mais de 150 mulheres, a mesma também conscientizou e explicou que acima de tudo, o emocional conta muito! Uma mulher quando diagnosticada com câncer de mama é tomada pela angústia e pela dor, e essa combinação afeta o tratamento. Segundo ela, o câncer de mama é raro antes dos 35 anos, mas após essa idade a sua incidência é rápida e progressiva.

A mesma disse que todas as mulheres devem se conscientizar de que os exames de mamografia não são “bicho de sete cabeças”, e que são essenciais, pois quando diagnosticados logo no início, o tratamento na maioria das vezes é mais eficaz e menos doloroso, e as chances de cura são de até 95%. Mas a realidade no Brasil é triste, muitas mulheres que não têm condições dificilmente conseguem realizar uma simples mamografia, e é aí que todos devemos agir.

Dra. também informou que o histórico familiar conta na prevenção, quem tem uma mãe, uma avó, uma irmã, que teve câncer de mama, deve se cuidar. A partir de em média 40 anos, todo ano deve realizar exames. Entre outros fatores de risco, mulheres com menstruação precoce também contam, ingestão regular de álcool e excesso de peso, dentre outras.


“Uma mulher, após vencer o câncer de mama, sai muito mais poderosa do que ela um dia já imaginou ser.”  - Dra. Albertina

Na noite maravilhosa, contamos com a presença de muitas mulheres que venceram o câncer de mama, e que relataram as dificuldades a nível emocional, e como o apoio da família conta para o tratamento ser positivo. Porém, quem deve realmente cuidar de si, física e espiritualmente, no final, é a própria #MulherGuerreira!

No final da noite, com o auxílio da Associação Comercial de São Paulo Distrital Mooca, representado pelo Presidente Francisco Parisi, e também com o subprefeito da Mooca, Evando Reis, homenageamos algumas #MulheresGuerreiras, que venceram o câncer de mama, e outras que vencem diariamente tantas outras dificuldades, essas representando a totalidade de mulheres empoderadas de nosso dia-a-dia.


Nosso muito obrigada a você leitor, homem ou mulher, que possa não somente no mês de outubro, mas em todos os outros, se conscientizar sobre o câncer e mama, e como fará para contribuir com a redução da mortalidade relacionada a ele!

Até a próxima postagem, esperamos que tenham gostado do nosso #TulipasOutubroRosa.


Patrocinadores: Ricardo Hara Fotografia/ Paganini Coral & Orquestra/ Ateliê DiBetha/ Marisa Flores/ ACSP – Mooca/ Subprefeitura Mooca/ Min. Educação/ Min. Da Saúde/ LIBRA – Mooca/ JNetto/ Elementar Eventos/ Jornal da Mooca/ Intermezzo&Spina/ MediaPix


Na noite do dia 26, o Buffet Tulipas ...

Realize seu sonho no Buffet Tulipas

Entre em contato com nossas consultoras e receba um orçamento personalizado!

Solicite um orçamento
Iniciar uma conversa